segunda-feira, 6 de abril de 2020

06/04/2020 DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FISICA


Sedentarismo é doença, Atividade Física é saúde. 

Com esse tema, se comemora hoje – 6 de abril – o Dia Mundial da Atividade Física. A prática de exercícios é um instrumento poderoso na busca da boa saúde, e deve ser realizada naturalmente como qualquer outra atividade. 

Hoje, muitos praticam exercícios na busca de um corpo bonito, mas a verdade é que os benefícios para a saúde mental e física são comprovados pelos profissionais médicos.


Hoje, dentre outros importantes ensinamentos, o COVID  mostrou o quanto a prática regular e ORIENTADA da atividade fisica agrega valor a saúde das pessoas. EXERCÍCIO é REMÉDIO e não existe nada melhor para manter o cérebro ativo e saudável do que praticar atividade fisica! Com apenas 30 minutos de caminhada diária é possível  manter a imunidade pronta para novas emoções.

Espero que tudo isso o que você aprendeu agora em tempos de pandemia permaneça na sua rotina quando tudo voltar ao normal.
Aproveita que você aprendeu a incluir VOCê na  sua agenda e mantenha seu nome lá!

Em tempos de isolamento e de ficar em casa comemore o Dia mundial da atividade física em CASA , coloque uma boa play list e DANCE , mas DANCE muito. Se movimente !!Se tiver uma esteira em sua casa ou apartamento aproveita para caminhar 30 minutinhos.


sexta-feira, 3 de abril de 2020

Como fazer uma máscara caseira improvisada de proteção contra o corona virus

Como elas sumiram do mercado.....improvisei uma com papel toalha. Melhor se for aquele que pode lavar pois é mais resistente. 
Você vai precisar de papel toalha, elasticos e grampeador ou furador 







segunda-feira, 30 de março de 2020

Tempos de Epidemia

Tempos de epidemia são uma oportunidade para você evoluir o seu estilo de vida. Um sistema imune que funciona bem é primordialmente um reflexo do estado geral de saúde do organismo. Em períodos de grande risco de contaminação, é importante dar mais atenção à higiene pessoal e coletiva – a ignorância não é uma bênção, mas se preparar bem é. E a melhor maneira de se preparar e se proteger de novos patógenos surge do equilíbrio do estilo de vida: sono de qualidade, dieta densamente nutritiva, suplementação inteligente, exercício e movimento adequados, controle do estresse, uso de álcool e cigarro reduzido, visão positiva em relação à vida. Cuide bem de si. Foque em fazer aquilo que está em seu alcance. Não se preocupe: se prepare. Esta é a mentalidade que devemos cultivar na vida, seja em tempos de calmaria ou de tempestade.


Imunidade é a capacidade do organismo combater elementos que podem causar doenças. Sendo assim, seu nível de funcionamento vai ditar nosso grau de saúde em muitos níveis. Quando o sistema imune está funcionando abaixo do seu potencial, o corpo está sempre suscetível às mais variadas formas de contaminação e doenças. Ao mesmo tempo, quando o sistema imune está com sua função desequilibrada, ele pode atacar o próprio corpo, causando danos severos. É o que chamamos de auto-imunidade. Dada sua enorme importância e a situação atual de epidemias que se espalham rapidamente, vale a pena relembrar os aspectos essenciais do sistema imunológico. 

ESTRATÉGIAS PARA O FORTALECIMENTO DO SISTEMA IMUNOLÓGICO 

Além da nutrição e suplementação, é possível aumentar a resistência contra os patógenos com intervenções no estilo de vida: 

EXERCÍCIO REGULAR A atividade física estimula os mecanismos de defesa do organismo e fortalece a imunidade. O exercício regular reduz a prevalência de infecções do trato respiratório superior. Exercícios leves e moderados durante uma infecção podem até mesmo ser benéficos para combater a doença. O exercício também ativa o sistema linfático e aumenta a circulação sanguínea. No entanto, o treino excessivo é uma fonte de estresse e desgaste, podendo te deixar mais vulnerável a doenças. Caso se sinta realmente doente e apresente febre, não se exercite. 

EXPOSIÇÃO LEVE AO FRIO A exposição moderada ao frio aumenta a resistência contra infecções. Apenas certifique-se de que o tempo de exposição ao frio não seja longo demais. Um banho frio pode ajudar e é recomendado quando você ainda não está doente. Caso se torne, evite o banho frio. 

CETOSE A dieta cetogênica ativa o trajeto Nrf2 que diminui a inflamação e o estresse oxidativo. As cetonas também têm propriedades de sinalização que inibem as HDACs (desacetilases de histona; uma classe de enzimas) associadas com o envelhecimento. A exposição a estresse, ao jet lag, a infecções e à poluição é mais segura em um estado de cetose, seja através de jejum ou do consumo de uma dieta cetogênica, porque o organismo fica em um estado elevado de autodefesa. Com base em um estudo de 2019, camundongos que receberam uma dieta cetogênica combateram melhor o vírus da gripe do que os alimentados com uma dieta com alto teor de carboidratos. Um dos mecanismos fisiológicos foi uma expansão aumentada das células T nos pulmões. 

LUZ SOLAR REGULAR A fonte mais biodisponível de vitamina D é através da exposição ao sol mais forte, no fim da manhã, meio dia e comecinho da tarde. Exponha-se à luz solar tanto quanto possível, mas evite se queimar. A exposição pela manhã é excelente para ajudar a equilibrar o ritmo circadiano, o que também tem um efeito sobre o funcionamento do sistema imunológico. O sistema imunológico possui, na verdade, seus próprios relógios circadianos que, quando perturbados, também prejudicam o seu funcionamento. 

REDUÇÃO DO CORTISOL (ADMINISTRAÇÃO DO ESTRESSE) O estresse contínuo enfraquece e desgasta o organismo de inúmeras formas. Para um sistema imune forte e eficiente, você precisa administrar o estresse com atividades relaxantes, bom sono, momentos de lazer e prazer - como desligar-se do celular e ler um bom livro. Níveis de cortisol elevados cronicamente reduzem de forma drástica a eficiência da imunidade. 

SONO ADEQUADO A melatonina, o hormônio do sono, também é um antioxidante potente que modula a autofagia e o reparo celular profundo durante o sono. A melatonina também age sobre as respostas inatas e específicas do sistema imunológico através dos mecanismos combinados que envolvem principalmente a modulação de citocinas e a produção do estresse oxidativo. Além disso, os anticorpos e as células que combatem infecções são reduzidas durante os períodos em que você não dorme o suficiente. Apenas uma noite mal dormida já diminui a eficiência do seu sistema imunológico e te deixa mais vulnerável. Quando isso ocorre com frequência você fica debilitado.

Fonte Flávio Passos e Equipe de Nutricionistas da Puravida


sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Mude de hábitos e aumente a sua auto estima!


A pratica de exercícios não melhora apenas a preparação física, mas vários benefícios como controle emocional, aumento da autoestima, diminuição da ansiedade e melhora no humor. A pessoa que é fisicamente ativa ainda vai ter uma melhor prevenção do risco de câncer e de osteoporose nas últimas décadas de vida, além de diminuir as chances de se tornar diabético ou ter problemas cardiovasculares

Você sabe a diferença entre Atividade Física e Exercício Físico?

A atividade física é qualquer atividade que o nosso corpo faz no dia a dia, como caminhar para pegar um ônibus. Já o exercício físico é planejado, estruturado e pensado para melhorar a aptidão física. Os estudos mostram que quem é fisicamente ativo, ou seja, não é sedentário e faz pelo menos alguma atividade durante o dia, recebe vários benefícios para a saúde como maior motivação e disposição.
Para aqueles que praticam atividade física dentro de uma rotina, melhor ainda,
Caminhar por trinta minutos todos os dias da semana, aí a atividade vira exercício físico porque há ali um planejamento e uma meta, que é acumular uma quantidade de horas semanais para melhorar a aptidão física e, por consequência, a saúde como um todo. Se alguém caminha de segunda a sexta, chega a 150 minutos semanais, que é o recomendado para a melhora da aptidão física.
Bora galera!!

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Como o canabidiol, extraído da maconha, ajuda na recuperação muscular?

Fonte:  Leonardo Boscolo Esporte out 30, 2019 para  Revista Webrun
Tratado como um tema bastante polêmico no Brasil, o canabidiol (CBD), um dos componentes da cannabis, pode ser um importante aliado na recuperação muscular de atletas amadores e profissionais. Ainda há muita desconfiança e preconceito relacionados ao tema. Apesar de diversos estudos já terem comprovado os benefícios da substância à saúde, são poucos os países que legalizaram o uso de medicamentos a base de canabidiol. Já no cenário esportivo, o CBD vem causando debates sobre doping.
A Dra. Ana Gabriela Baptista, consultora técnica em Cannabis Medicinal, explica que o óleo extraído da cannabis sativa, popularmente conhecida como maconha, é apenas um dos 113 fitocanabinoides que a planta produz. E, apesar de representar mais de 40% de sua composição, diferente do tetra-hidrocanabinol (THC), o CBD não é o responsável pelas propriedades psicoativas da maconha.
Nos últimos anos, diversos estudos que comprovam a eficácia do canabidiol vêm sendo realizados e levados em conta no processo da liberação da substância no tratamento de doenças e na recuperação muscular em atletas de diversos países.
Como o canabidiol, extraído da maconha, ajuda na recuperação muscular - Foto: Adobe Stock
Foto: Adobe Stock

O canabidiol na recuperação muscular

Apesar de polêmico, o assunto é tratado com a devida naturalidade por alguns profissionais do meio da saúde. O médico generalista especializado em terapia canabinoide, Dr Adolfo Pires Almeida explica os benefícios da substância para o corpo. “O óleo de CBD apresenta importante efeito anti-inflamatório, protetor muscular e das estruturas esqueléticas. Além disso, apresenta alívio da dor local com soluções tópicas”, afirma o especialista.
Ana comenta que o fitocanabinoide também age como anticonvulsivo e antidepressivo, sendo muito utilizado no tratamento de distúrbios neurológicos. “Na parte comportamental, o CBD tem potencial ansiolítico, o que reduz a ansiedade, melhora a cognição e também ameniza a psicoatividade do THC”.
Um artigo publicado na Outside, em abril de 2018, mostrou também que o canabidiol age no corpo como analgésico e é rico em antioxidantes. Segundo o mesmo, os receptores de serotonina e vaniloides do cérebro interagem com o CBD, afetando o humor e a percepção da dor do indivíduo.

A utilização do CBD

O meio de consumo mais comum da planta ao redor do mundo é por meio do fumo, prática que continua sendo considerada proibida quando o assunto é a performance esportiva, tanto pelos efeitos psicoativos causados, quanto pelas consequências ao sistema respiratório. Atletas que buscam o canabidiol para o auxílio na recuperação muscular, em geral, fazem o uso do óleo e de seus produtos derivados.
Por se tratar de um óleo extraído da cannabis, ele pode ser utilizado como matéria prima para pomadas, cremes e loções, sendo aplicadas diretamente no músculo ou articulação. A Dra. Ana Gabriela explica que o óleo rico em CBD também pode ser administrado direto na boca, por meio de cápsulas (como remédios) ou aplicadores.
Como o canabidiol, extraído da maconha, ajuda na recuperação muscular - Foto: Adobe Stock
Foto: Adobe Stock

Doping no esporte

Como um marco importante na história do esporte, no dia 1º de janeiro de 2018, a Agência Mundial Antidoping (WADA) retirou o CBD da lista de substâncias proibidas da organização. Com isso, muitos atletas de alto rendimento, principalmente nos EUA, passaram a utilizar o fitocanabinoide como uma alternativa ao ibuprofeno e outros analgésicos. Por se tratar de uma planta natural e que não sofre tantos processos químicos como outros medicamentos vendidos em farmácias, é menos nociva e prejudicial ao corpo, principalmente aos rins .
No entanto, o uso recreativo da cannabis engloba todas as substâncias presentes nela, incluindo o CBD. Por isso, o consumo destas, em especial, o THC (responsável pelos princípios psicoativos, mais conhecido por deixar os usuários “chapados”), ocasiona na dopagem de atletas amadores e profissionais.
A legalização medicinal e social da cannabis no Canadá e em muitos estados dos EUA vem motivando outros países a seguirem o exemplo. No esporte não é diferente. Alguns nomes renomados no meio, como o presidente da Confederação Brasileira de Skate e multicampeão na modalidade, Bob Burnquist e os lutadores de MMA, Nate e Nick Diaz se declararam usuários e defensores da causa da liberação.
No skate (modalidade olímpica em Tóquio 2020) e no MMA, o uso recreativo e medicinal da planta é proibido durante o período de competição.
Algumas entidades como a NFL, a Liga de Futebol Americano dos EUA, já demonstraram interesse em flexibilizar a política de doping por cannabis. Segundo um relatório da NBC Sports, legalizar o uso da planta por jogadores engloba muitos fatores, entre eles, o fato de não ser liberada em todos os estados do país (até o momento, 11 estados americanos legalizaram a venda de maconha para uso recreativo). As conversas da NFL com a Associação dos Atletas da liga deve acontecer somente em 2020, com uma possível liberação apenas em 2021.
Canabidiol no Brasil
Por conta do THC, a planta também é ilegal no Brasil. O canabidiol, por outro lado, foi retirado das substâncias proibidas pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em janeiro de 2015. O uso do medicamento foi regularizado, contanto que tenha a autorização e controle da entidade, sendo utilizado para tratar doenças como epilepsia, ansiedade, esclerose múltipla e dores crônicas.
Ainda assim não é fácil conseguir um remédio que tenha o CBD, o processo é demorado e passa por diversas etapas. Apesar da polêmica envolvida, para o OMS, o canabidiol, quando utilizado como substância medicinal, não deve ser tratado como droga.
No território nacional, 590 prescrições de remédios feitos a partir da substância foram feitas entre janeiro e novembro de 2018. Um número muito baixo comparado aos 200 milhões de habitantes. Inúmeros fatores podem ser levados em consideração, desde o preconceito enfrentado pelos médicos quando prescrevem tais medicações, até a burocracia enfrentada por quem necessita do tratamento.
Para conseguir a liberação, o médico precisa prescrever algum remédio que contenha o CBD. Após conseguir a receita, o paciente deve se cadastrar no site da ANVISA e aguardar a análise da entidade. Caso a solicitação seja aprovada, a agência autoriza a importação e aquisição do mesmo (que não é produzido em território nacional, justamente por ser proibido). Quando chega em território nacional, o produto é analisado e liberado pela própria ANVISA.

O mercado da cannabis

Nos Estados Unidos, o uso recreativo da planta é legalizado em 11 estados, em uma lei que esbarra em complicações. As leis federais e estaduais entram em conflito com relação a dois tipos diferentes de maconha: a propriamente dita (que contêm THC e CBD), e o Hemp (conhecida como cânhamo e que contém apenas 0,3% de THC, com alta concentração de CBD).
Nos estados onde são legais, os produtos que contêm THC são cultivados, processados e vendidos apenas por empresas licenciadas pelas autoridades estaduais. A segunda espécie da planta é considerada ilegal nos EUA, o que dificulta a comercialização. Os produtos com o canabidiol são comercializados em lojas comuns, como os supermercados, mas são concentrados apenas nas áreas legais.
Apesar desse fato, a indústria canabica, segundo um relatório da consultoria Brightfield Group, espera faturar US$5,7 bilhões apenas em 2019, cerca de R$23,14 bilhões. Deste valor, estima-se que 57% das vendas não seja online, mas em estabelecimentos como grandes redes de farmácias, varejos e mercearias. Para os próximos anos, com o crescimento do mercado, a expectativa de faturamento é ainda maior, cruzando a barreira dos US$20 bilhões até 2022.
Como o canabidiol, extraído da maconha, ajuda na recuperação muscular - Foto: Adobe Stock
Foto: Adobe Stock

Estudos sobre o CBD

Um estudo publicado no Jornal de Farmacologia e Experimentos Terapêuticos em junho de 2018, explica como a substância age no corpo humano como anti-inflamatórios. Os resultados exibidos no jornal americano mostram como os fitocanabinoides modulam as respostas inflamatórias regulando a produção de citocinas em vários modelos experimentais de inflamação.
Já a Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente publicou um estudo em 15 de dezembro de 2018 que comprova e mostra como as principais substâncias da cannabis (THC e CBD) agem. Como citado no texto, o canabidiol age de maneira diferenciada no corpo, podendo inibir os efeitos psicoativos do THC.
*Fontes médicas: Dr Adolfo Pires Almeida, médico generalista especializado em terapia canabinoide, membro da SBEC (Sociedade Brasileira de Estudo Canabicos) e sócio fundador da equipe Dr. Hemp.
Dra. Ana Gabriela Baptista, consultora técnica em Cannabis Medicinal e especialista Lato Sensu pelo Hospital Israelita Albert Einstein e Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Medite!


Só sei que nada sei



"Quanto mais eu sei, mais eu sei que não sei "~ sócrates


ao perceber isso, um mar de possibilidades se abriu na minha frente.

uma vontade ainda maior de estudar, de entender o mundo à minha volta e, principalmente, entender o meu mundo interior.

quando você percebe que tudo que você sabe no momento é muito pouco e que existe um longo caminho ainda pra percorrer, você ganha acesso a um dos maiores hacks possíveis:

humildade.

você se torna humilde para conseguir se tornar um aprendiz.

para conseguir aprender tudo que você sabe que não sabe.

para pedir ajuda e saber receber da melhor forma.

para tirar todos os seus julgamentos, pré-conceitos e conhecimentos falhos que não estão te levando pra nenhum lugar… só pra uma angústia sem fim e sem nexo (mas que por achar que sabe muito, acaba colocando a culpa lá fora e não em você mesmo, assumindo a responsabilidade).




Como se tornar mais ativo na sua rotina!

Quando se fala em fazer atividade física, uma das primeiras coisas que vêm em mente é ir a uma academia. Mas na verdade, atividade física é muito mais que isso. Deslocar-se para trabalho ou escola a pé ou de bicicleta, realizar práticas corporais no tempo livre, como brincar e dançar, e realizar limpeza pesada no serviço doméstico já são atividades físicas.Tão importante quanto começar a se exercitar é manter a continuidade da prática. Aliar uma atividade de seu interesse com boa companhia e espaços agradáveis ajuda a manter a prática. Quem tem rotina cansativa e estressante pode optar por uma atividade que ajude a soltar as tensões e gastar energia. Se o trabalho é intenso e exige um esforço físico, o ideal é procurar algo que ajude a relaxar.
Não há receita para começar. Cada um deve repensar sua rotina e seus hábitos de vida e encontrar tempo livre para fazer uma atividade que possa lhe fazer bem física e mentalmente. É recomendado sempre consultar um profissional de saúde para avaliação prévia, de modo a evitar lesões ou agravamento de algum problema de saúde e principalmente um profissional de Educação Física com registro no CREF para a orientação e prescrição de rotina de exercícios e atividade fisica
Veja 5 dicas para se tornar mais ativo na sua rotina:

1
Use bicicleta como meio de transporte, faça pequenos percursos a pé e prefira escadas ao elevador.

2
Práticas corporais, como danças, lutas e jogos, são boas alternativas para aliviar o estresse e as tensões. Escolha atividades físicas que você gosta, isso aumenta as chances de uma boa adesão.

3
Esportes populares também são boas atividades, como futebol, queimada, capoeira.

4
Faça atividades em grupos. Isso ajuda a manter a frequência no treinamento, além de reforçar os laços sociais.

5

Se tiver algum problema de saúde, como hipertensão ou outra doença cardiovascular, realize uma avaliação médica antes de iniciar alguma atividade física.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

O exercício físico traz benefícios depois dos 50 anos?

Comecemos por uma rápida descrição do envelhecimento. Dos 50 aos 80 anos, a perda de massa muscular pode chegar a 40%. A força dos músculos diminui em 1,5% ao ano. Há diminuição da audição, da visão, da intensidade e propagação dos impulsos nervosos, bem como da velocidade das respostas motoras em virtude da perda de 50 000 a 100 000 neurônios por dia.
As mulheres ainda podem sofrer dos sintomas da pós-menopausa: insônia, alterações do humor, ressecamento vaginal, perda da libido, aumento dos riscos de osteoporose e doenças cardíacas.
O envelhecimento é também fator de risco para o acúmulo de gordura, de glicose e o surgimento das doenças coronarianas.
Assustador? A impressão que se tem é que não há solução, porém não é bem assim. O que causa aumento do açúcar no sangue? Por que engordamos e temos colesterol alto? Por que perdemos músculo, força e até neurônios? Por que nossos ossos e nosso coração se enfraquecem?
É claro que as respostas para essas questões são muito complexas e multifatoriais, porém em todas as respostas teremos um denominador comum: o sedentarismo.
A atividade física promove centenas de benefícios à saúde. Os efeitos dos exercícios ocorrem em todas as estruturas, órgãos e sistemas do organismo, como a melhora do controle da pressão arterial, dos níveis de açúcar e gorduras no sangue, na manutenção do peso corporal, da composição corporal, da força e da resistência dos músculos, da integridade dos ossos, da capacidade pulmonar, da oxigenação dos tecidos, na produção de neurônios e muitos outros benefícios que retardam o processo de envelhecimento e atenuam de forma significativa todos esses sinais e sintomas.
Estudos compararam os organismos de jovens e idosos, sedentários ou não, por meio de biópsias musculares. Os resultados dos exames realizados em ambos os grupos não encontraram diferenças um jovem sedentário de 20 anos e um idoso treinado de 80 anos. Os marcadores de saúde são iguais!
O organismo tem capacidade de se readaptar em qualquer idade. Mesmo que várias afecções tenham sido instaladas, adoção de um estilo de vida mais saudável, com um programa de exercícios individualizado, sempre ajudará. O organismo tem capacidade de se readaptar em qualquer idade. É claro que nem sempre a recuperação será plena, mas, no mínimo, os processos deletérios podem ser estabilizados e sem dúvida os benefícios serão enormes.
Mesmo depois dos 50, o organismo responde de forma excelente aos estímulos dos exercícios, todas as estruturas, órgãos e sistemas ficam fortes, resistentes, eficientes e aptos , diminuindo a incidência de doenças, melhorando a qualidade e o tempo de vida.
Adianta, sim, fazer exercícios depois do 50, 60, 70, sempre.
FONTE https://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/o-exercicio-fisico-traz-beneficios-depois-dos-50-anos/

Por que os atletas estão aderindo ao óleo de CBD ?

O óleo de canabidiol (CBD ) está crescendo em popularidade entre os atletas.



https://bicycling.com.br/por-que-os-atletas-estao-aderindo-ao-oleo-de-canabidiol/  03/09/2019

O óleo de canabidiol (CBD ) está crescendo em popularidade entre os atletas, que o usam para tudo, desde alívio da dor, até recuperação mais rápida de músculos e melhoria do sono. Atletas têm preferido fazer uso do canabidiol por ele ser um produto natural – ao contrário do ibuprofeno e de medicamentos prescritos.
Agora, novas pesquisas mostram que tomar CBD com alimentos, especialmente alimentos com alto teor de gordura, pode quadruplicar a absorção do CBD. Tomar CBD com refeições equilibradas pode também ajudar na absorção e maximizar sua eficácia.

O óleo de canabidiol (CBD) tornou-se uma indústria multibilionária, com atletas recreativos sendo responsáveis por grande parte dessa mudança. O motivo: promessa de alívio da dor, recuperação mais rápida, melhor sono e muito mais.

Algumas pessoas reivindicam benefícios notáveis ​​do CBD, enquanto outras consideram os efeitos ilusórios na melhor das hipóteses. Inúmeros fatores influenciam a resposta (ou não) ao CBD, incluindo o tipo que você toma, quanto você toma e até seus genes.
Uma pesquisa recente publicada na revista Epilepsia mostra que a comida que você come junto com o suplemento de CBD pode ter um efeito significativo na quantidade que seu corpo absorve desse composto.
O pequeno estudo incluiu oito adultos, que receberam CBD para convulsões relacionadas à epilepsia (uma condição para a qual o CBD foi aprovado em vários lugares). Na primeira parte do estudo, metade dos voluntários tomou seu CBD pela manhã antes de comer e tomou café da manhã quatro horas depois, enquanto a outra metade se alimentou com alto teor de gordura, contendo cerca de 850 calorias e 52% de gordura. Depois de duas semanas, as mesmas pessoas trocaram de grupo.
A coleta de sangue realizada ao longo do estudo mostrou que os alimentos tiveram um impacto notável na absorção do CBD. Aqueles que se alimentaram com alto teor de gordura pelo café da manhã viram seus níveis máximos de CBD aumentarem 14 vezes, em média, em comparação ao tomar o suplemento em jejum. A quantidade total de CBD que seus corpos absorveram quadruplicou com a refeição matinal com alto teor de gordura.
Os pesquisadores concluíram que o CBD deve ser tomado com alimentos para maximizar sua absorção, e que uma refeição com pouca gordura pode não ter o mesmo efeito de aumento da absorção do que uma com grande teor de gordura.
“O tipo de alimento pode fazer uma grande diferença na quantidade de CBD que é absorvido pelo organismo. Embora os alimentos gordurosos possam aumentar a absorção do CBD, também podem aumentar a variabilidade, pois nem todas as refeições contêm a mesma quantidade de gordura ”, disse Angela Birnbaum, Ph.D., professora da Faculdade de Farmácia e coautora do estudo, em um comunicado à imprensa.
Se você acha que seu CBD parece funcionar melhor algumas vezes do que outros, apesar de tomar a mesma marca e dosagem, pode valer a pena verificar sua dieta e tentar tomar o suplemento com os mesmos tipos de refeições para obter resultados mais consistentes.
No Brasil, o canabidiol pode ser importado seguindo as recomendações da ANVISA. .

Os benefícios do óleo de canabidiol, segundo os usuários

Os advogados do canabidiol dizem que ele ajuda em uma grande variedade de condições, desde ansiedade e insônia até inflamação e náusea. Por causa do funcionamento do sistema endocanabinóide, há pelo menos uma base teórica para essas alegações.
“O sistema endocanabinóide é encontrado em todos os órgãos do corpo e controla muitos processos fisiológicos, incluindo ingestão de alimentos e equilíbrio energético, aprendizado, memória e processamento da dor, para citar alguns”, diz Nicholas DiPatrizio , professor de ciências biomédicas PhD da Riverside School of Medicine, na Califórnia.
“Isso pode afetar tudo, desde emoção, dor, apetite, metabolismo energético, função cerebral, até o sistema imunológico e inflamação”, completa Hector Lopez, consultor da PlusCBD Oil, uma das marcas de óleo de canabidiol mais vendidas no mundo.
Atletas têm preferido fazer uso do canabidiol por ele ser um produto natural – ao contrário do ibuprofeno e de medicamentos prescritos.
Os produtos com altos níveis de THC são mais para o efeito psicoativo, o que pode não ser para todos. Já o uso do CBD é para pessoas mais preocupadas com a saúde. Os produtos com CBD são uma grande parte da rotina diária de atletas – amadores de profissionais. Quase sempre, a justificativa dos usuários é a mesma: o CBD aumenta os níveis de energia, acelera a recuperação de treinos longos trilhas e melhorar significativamente o sono.

segunda-feira, 18 de março de 2019

Receita de bolo de chocolate vegano e nutritivo

Quem disse que doce precisa ser vazio de nutrientes? Nesta receita, indicada pela nutricionista Luana Rocha, o tradicional bolo de chocolate ganha uma versão mais leve e com inhame! O tubérculo traz vários benefícios para saúde, entre eles, ajuda a emagrecer.






Isso porque o inhame, como a batata doce, é rico em carboidratos complexos, que ‘liberam’ a glicose aos poucos no sangue, fazendo você se sentir com mais energia e com menos fome ao longo do dia. Além disso, o inhame tem um sabor bem leve, que facilita na hora de transformá-lo em uma ‘base’ para qualquer receita, já que ele ganha o gosto de outros ingredientes com facilidade. É sucesso! Salve aí e experimente. 
Ingredientes:
1 xíc chá – 100g de farinha de arroz integral
1 xíc chá – 100g de inhame cru e descascado
200ml de água
60g de chocolate 70% em cubos
½ xíc chá – 60g de xilitol
1 col. sopa de óleo de coco
Modo de preparo:
Bata no liquidificador o inhame e a água. Misture o creme de inhame com o restante dos ingredientes. Leve ao forno pré-aquecido a 180C até ficar firme.


fonte: nutri academia Bodytech

Veganos têm mais dificuldade para ganhar massa magra?

Ver imagem ampliada

Adotar o vegetarianismo ou o veganismo é uma decisão importante que vai muito além de não comer carne ou cortar fontes de proteínas animais do cardápio. A mudança envolve encarar a alimentação, o consumo e o próprio lugar na natureza de um jeito diferente.  Mas essa transformação precisa significar sacrifícios e prejuízos para saúde? Quem não come proteína animal tem mais dificuldade de ganhar massa muscular, por exemplo? A resposta é não para as duas perguntas.
De acordo com a nutricionista esportiva funcional Julia Marques, vegetarianos e veganos conseguem aumentar a taxa de massa magra sem dificuldades. O segredo é unir a atividade física regular a uma alimentação com quantidades ideais de carboidrato, proteína e gordura. Até porque, a proteína não é o único nutriente imprescindível para o ganho de massa.

“Com acompanhamento nutricional e exames frequentes – para se identificar e tratar possíveis deficiências decorrentes da retirada de alguns alimentos – é possível aumentar a massa muscular sem problemas”, confirma.
Para ajudar no equilíbrio desta balança, vegetarianos e veganos podem optar por alimentos coringas, que são fontes riquíssimas de proteína e uma mão na roda no dia a dia. Entre eles, linhaça, sementes de girassol e abóbora, leguminosas, feijões, amendoim e tofu (alimento versátil que pode funcionar para preparações salgadas ou doces). 
Outra recomendação de Julia para potencializar o consumo não só de proteína, mas de outros nutrientes presentes em grãos e leguminosas, é deixá-los de molho por algumas horas na água antes de prepará-los. Isso torna os nutrientes mais biodisponíveis e elimina os fatores que podem atrapalhar a absorção destes nutrientes.

fonte : revista bodytech março 2019

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Joelhos corrida e fortalecimento muscular

"O impacto de cada passada numa corrida impõe aos joelhos uma sobrecarga que chega a cinco vezes o peso do corpo do praticante. Com o tempo, se não houver o preparo adequado da musculatura dos membros inferiores, o joelho passa a sofrerum processo de desgaste, levando a lesões meniscais e cartilaginosas"revela o Dr. Paulo Henrique Araujo , cirurgião ortopedista especializado em trauma ortopédico e cirurgia de joelho, membro das Sociedades Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT).
Os meios de comunicação incentivam a prática de atividades físicas, e isso é ótimo. No entanto, é preciso orientar as pessoas a maneira adequada de praticá-las. De certa forma, a superação e a dor fazem parte da cultura do esporte, mas do ponto de vista da saúde isso não é bom. “A dor é um alarme do corpo”, afirma Dr. Marcio Ferreira, ortopedista do Hcor.
Segundo o ortopedista, as lesões nos joelhos são comuns em parte pela anatomia da articulação, mas principalmente pelo hábitos de vida das pessoas. É o que eu chamo de “Tripé da Consulta”: o sobrepeso, a falta de condicionamento e a falta de orientação”, afirma o Dr. Ferreira.
A articulação do joelho depende muito da musculatura para não ser sobrecarregada. Por isso, sair correndo por aí sem estar preparado não é a melhor maneira de melhorar sua condição física e vencer o sedentarismo. Antes de iniciar treinos de corrida veja as dicas para começar a correr e faça exames clínicos e ortopédicos.
Iniciar a prática esportiva com exercícios de baixo impacto, aumentando a intensidade e a carga gradativamente, são alternativas para não sobrecarregar os joelhos.
Uma das principais medidas para manter seus joelhos seguros é começar a prática de exercícios aeróbicos com atividades de baixo impacto (caminhadas, bicicleta ergométrica, elípticos e atividades hídricas – hidroginástica e natação). A intensidade e a duração devem ser aumentadas de acordo com o ganho de condicionamento físico. Ao mesmo tempo um programa de fortalecimento muscular deve ser inciado para agregar força e resistência ao corpo e permitir uma evolução física sadia.
Deve-se ressaltar que as pessoas possuem características físicas diferentes, como idade, biotipo, peso, capacidade física inicial e até mesmo alguma doença pré-existente. Portanto as orientações devem ser sempre individualizadas.
“O ideal é que a pessoa tenha orientação de um profissional para a realização das atividades, e comece o fortalecimento muscular com exercícios isométricos evoluindo para os isotônicos, objetivando sempre força e resistência. A duração e intensidade de carga dos exercícios devem ser crescentes, aumentando cerca de 10% a 20% por semana, para que o corpo aceite bem o acréscimo de esforço, minimizando, assim, as chances de lesões” explica Dr. Ferreira.
Adotar estas medidas é importante, pois o tratamento das lesões por sobrecarga articular geralmente não se resolve na velocidade que os atletas desejam, sendo que algumas ainda podem necessitar de reparo cirúrgico. Não podemos esquecer que as dores e lesões provocam frustrações e desânimo, fatores estes que contribuem para o abandono das atividades físicas.
O segredo para manter os joelhos livres das dores, segundo o ortopedista, está na opção e adoção consciente de hábitos de vida saudáveis, e não esquecer de dedicar parte dos treinos à prevenção. “Falta prevenção e sobra transpiração. Na maioria das consultas que tenho, preciso orientar o paciente a adotar novos hábitos esportivos. Muitas vezes, a ação de melhora clínica cabe somente a algumas mudanças no padrão das atividades que as próprias pessoas realizam, não necessitando de nenhuma intervenção terapêutica”. Analisa.
Portanto, vale a pena cumprir todas as etapas de adaptação aos treinos e evoluir gradativamente com os esforços, afinal quanto mais fortalecida estiver a musculatura, menor serão as chances de lesões nos joelhos.
Matéria da revista Hcor Saúde – Publicação do Hospital do coração Hcor

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Exercício físico previne câncer de mama em mulheres na pós menopausa



Após o período da menopausa, com todos os seus sintomas que incomodam, outro fantasma começa a rondar as mulheres: os riscos maiores de adquirir um câncer de mama. Mas uma boa notícia foi descoberta por pesquisadores do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos. Segundo ele, a atividade física regular pode fazer com que essa chance fique um pouco mais distante. Uma pesquisa apresentada na reunião anual da Associação Americana para Pesquisa do Câncer (AACR) no dia 9 de abril apontou essa relação, devido à queda do hormônio estrógeno em mulheres mais ativas.

Os pesquisadores estudaram 540 mulheres polonesas, entre 40 e 74 anos e que não faziam terapia de reposição hormonal. Durante uma semana, elas ficaram com um aparelho chamado acelerômetro preso à cintura, usado para medir a sua atividade física durante o dia. Elas também fizeram exames de urina a cada 12 horas, para medir os níveis hormonais. Os pesquisadores então notaram uma relação: quanto maior a quantidade de exercícios na rotina das mulheres, menores os índices de estrógeno.
Os cientistas verificaram também um aumento nos metabólitos, produtos da quebra do hormônio no organismo. É a primeira vez que um estudo relaciona os exercícios físicos com esse processo, até porque foi usado um novo método de análise criado pelo Instituto do Câncer, que consegue medir um número maior dessas substâncias. Já é de conhecimento dos cientistas que esses hormônios têm um papel importante no desenvolvimento do câncer de mama. Além dessa relação direta, a atividade física combate o acúmulo de gordura, e o estrógeno é produzido no tecido adiposo após a menopausa. Portanto, o aumento de exercícios ao longo do dia também se relaciona a esse fator de risco.

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Autoestima e Exercícios

Chegou a hora de acabar de vez com a falsa ideia de que temos que estar insatisfeitos com nossos corpos para praticar exercícios. De onde tiramos isso? Provavelmente, do mesmo lugar de onde tiramos a conclusão de que comer um "docinho" nos obriga a malhar por horas e horas.

Desde quando aderir a um programa de exercícios orientado está diretamente relacionado a não gostar da sua autoimagem e ficar se policiando o tempo inteiro?  Praticar exercícios regularmente, ao contrário, tem tudo a ver com se amar e se cuidar. Torne isso um hábito

A realidade, no entanto, é que, de fato, muitos de nós começam a fazer exercícios por estarmos insatisfeitos com nosso corpo, por valorizarmos nossos defeitos, ao invés vez de contemplarmos nossas qualidades.

O que é difícil de perceber é que esse julgamento super crítico de si mesmo pode atrapalhar ao invés de ajudar. Uma ansiedade por um resultado fora da realidade ou em um "estalar de dedos" favorece uma frustração um motivo comum para não levar adiante um programa de exercícios, por exemplo. 

Na verdade, a relação entre exercícios físicos e amor próprio é bem próximaPor isso, aderir a um programa de exercicioa orientado por um personal trainer pode ajudar a melhorar sua autoestima e promover uma verdadeira mudança na sua vida. Veja as razões!

Você merece saúde e felicidade.

Independente do quanto você pesa, da sua idade ou do seu peso, você merece ter uma vida plena e feliz. Para isso, vamos combinar, dar atenção à saúde é essencial.

Ao invés de pensar na alimentação nutritiva e no exercício como punição. Veja por esta perspectiva: Comer de maneira mais saudável e praticar atividade física são alguns dos melhores investimentos que você pode fazer no seu bem mais valioso, você mesma.

I n v e s t i r na própria saúde é investir em autoestima e exercícios, em felicidade.

Nosso corpo é nossa casa

Imagine viver em uma casa desorganizada, com a parede mal pintada, sujeira, a cama quebrada, varal de roupa na sala! Um pesadelo, né?

A casa da gente tem que ser aconchegante, um lugar onde podemos relaxar e nos sentir seguros.

O problema é que, às vezes, estamos deixando nossa outra casa, o corpo (bem mais importante, por sinal!), sem a atenção e o cuidado que ela merece.

E olha que nesta casa moramos para o resto da vida!

Sinta-se forte por dentro e por fora

O sentimento de estar se cuidando é incrivelmente poderoso. Quando você começa a fazer exercícios, seu corpo fica mais resistente, menos vulnerável e você se sente mais forte!

Essa força não fica restrita àquele momento particular da atividade física. Ela passa a fazer parte de você, do seu organismo e de quem você é.

Sentir-se fortalecido por dentro é uma arma poderosa para você se cuidar cada vez mais. É um presente que você dá a si mesma sempre que reafirma o compromisso de fortalecer a autoestima .

Consciência corporal

Se por um lado a vida cotidiana pode oferecer uma série de desafios, testando nossa mente e nosso espírito. Por outro, se você parar para pensar, o corpo não é tão demandado assim. Andamos o dia inteiro de carro.

O trabalho no escritório exige horas no computador. Ao chegarmos em casa, vemos as notícias e as redes sociais estirados no sofá. No final dessa jornada, nosso corpo quase não teve trabalho.

A partir do momento que você se dedica a praticar um programa de exercícios orientado, você ganha uma percepção muito mais consciente do seu corpo.

Passa a apreciar a incrível habilidade dele de trabalhar, suportar, ficar mais forte e se curar. Nosso corpo não foi feito para ficar parado.

E, quando levamos eles para outro patamar, nos exercitando, passamos a sentir nosso corpo no seu elemento, funcionando com muito mais sintonia.