Pular para o conteúdo principal

Índice Glicêmico x Carga Glicêmica

Você já deve ter ouvido falar em índice glicêmico e carga glicêmica. Apesar de parecidos, os dois termos significam medidas diferentes, que influenciam na produção de energia para o organismo e na sensação de saciedade entre uma refeição e outra.

Índice Glicêmico

O índice glicêmico se refere à medida da velocidade que um carboidrato é absorvido pelo organismo e se transforma em glicose no sangue. Isso significa que alimentos com alto índice glicêmico, como a melancia, o mel, o milho e as barras de cereais, são absorvidos mais rapidamente pelo organismo, ocasionando picos de glicose, estimulando a produção de insulina pelo pâncreas e fornecendo energia rapidamente.

Já os alimentos que possuem um baixo índice glicêmico, são absorvidos mais lentamente pelo organismo, alterando gradativamente os níveis de glicose no sangue, consequentemente, a produção de insulina também acontece de forma gradativa. Portanto, consumir alimentos com baixo índice glicêmico, como o arroz integral, o tomate, a soja, a abobrinha e o brócolis, é uma boa opção para ajudar a controlar os níveis de glicose no sangue.
Carga Glicêmica

Diferente do índice glicêmico, a carga glicêmica não mede a velocidade em que um carboidrato se transforma em açúcar, mas indica a qualidade e a quantidade de carboidratos presentes em uma porção de determinado alimento.

Para calcular a carga glicêmica de um alimento, basta multiplicar o índice glicêmico pela quantidade em gramas de carboidrato e dividir por 100. Assim, é possível controlar a qualidade e a quantidade de carboidratos ingeridos.
Um detalhe importante quando se fala em índice e carga glicêmica, é que a velocidade da absorção de um carboidrato não está relacionada à quantidade de carboidratos presentes no alimento, ou seja, um alimento pode ter um índice glicêmico alto e uma carga glicêmica baixa.
Atenção!

Antes de eliminar qualquer alimento do cardápio é recomendável consultar um nutricionista e/ou um médico para que não ocorra a perda de nutrientes importantes ao bom funcionamento do organismo.

Postagens mais visitadas deste blog

Em 2018 qual valor cobrar para o serviço de personal trainer?

VALOR DE SERVIÇOS PARA PERSONAL TRAINER



2018 está chegando e com ele surge uma dúvida: Qual valor cobrar pelos serviços prestados? O Personal Trainer, profissional de educação física, contratado para o atendimento exclusivo na avaliação, prescrição e acompanhamento de treinamento, deve estar atento ao cenário econômico atual ao repassar os valores dos seus serviços para o mercado fitness brasileiro. Como todo profissional autônomo , a manutenção dos custos para o desenvolver da função do personal trainer devem ser mantidos através da captação de recursos financeiros pela prestação dos serviços ofertados. Sendo assim, a sugestão é indexar esses serviços em um índice relevante na economia nacional. A sugestão desse artigo, como possível índice indexador é o salário mínimo nacional, que em 2018 passa a ser de R$ 969,00 (Novecentos e sessenta e nove reais), por um total de 12 treinos assistidos durante o mês; com esse dado chegaremos a um valor médio de hora aula de R$ 80,75 ( Oitenta reais…

IMC não reflete a composição corporal

Entenda de uma vez por todas que  1 kilo vai ser sempre 1 kilo  e pronto!  não é que um "pesa mais que o outro", mas sim uma questão de densidade. A densidade relaciona a massa de um material ao volume que ele ocupa
É significativa a diferença entre massa e volume da gordura e do músculo.  Porém, ao comparar músculo e gordura, chega-se à seguinte conclusão: o músculo é muito mais compacto. Um quilo de gordura é mais volumoso, ocupando muito mais espaço.
Veja bem 100 kilos de músculos ocupam menos espaço comparados com os mesmos 100 kilos de gordura. E no entanto ambos tem o mesmo IMC.










Previna a Depressão com exercícios fisicos

A depressão é o mal que predomina nas consultas psiquiátricas e de psicologia clínica. Em  breve, ela poderá ocupar o segundo lugar entre as causas de doenças e de incapacidade, ficando atrás apenas dos problemas cardiovasculares.
Com suas variações correspondentes, a depressão afeta crianças, jovens, adultos, e idosos; homens, mulheres; pessoas de todas as classes; ricos e pobres. A Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que há mais de 100 milhões de pessoas deprimidas no mundo.
Sofrer um grande desgosto, ter preocupação excessiva ou sentir-se estressado pelo excesso de trabalho não significa necessariamente estar com depressão. Entretanto, essas alterações emocionais podem ser o início dela, e é necessário estar atento para que não se prolonguem demasiadamente.
Os sintomas da depressão são inúmeros, e o diagnóstico não é confirmado como tal até que apareçam vários deles de forma regular no período de duas semanas e , ao menos, um dos sintomas deve ser a tristeza ou a perda de inter…