Pular para o conteúdo principal

Alimentos anti-inflamatórios e exercícios físicos


Já está bem documentado na literatura científica que treinamentos intervalados de alta intensidade trazem inúmeros benefícios à saúde, como melhora na composição corporal, no consumo máximo de oxigênio e resistência muscular. Porém, esse tipo de treinamento também gera inúmeras adaptações fisiológicas que são importantes para a resposta adaptativa ao exercício como: o estresse oxidativo e inflamação. Contudo, se não modulado adequadamente, o estímulo desequilibrado do estresse oxidativo induzido por treinos intensos, prolongados, ou exaustivos, gera um processo inflamatório crônico que pode levar a prejuízos no desempenho esportivo e danos às células, aumentando os riscos de lesões, overtraining e overreaching, devido principalmente à falta de suporte nutricional adequado para a modulação deste quadro.
Diversos alimentos podem atuar na modulação da inflamação e dano muscular induzido pelo exercício, quando consumidos de forma equilibrada e como parte de uma alimentação saudável e orientada de acordo com as necessidades individuais de cada esportista.
GENGIBRE
O gengibre é utilizado tradicionalmente há centenas de anos, e contêm diversos compostos bioativos, como os gingeróis, zingerones e geraniol, os quais possuem capacidade anti-inflamatória, imunomoduladora, analgésica e antioxidante. Desta forma, o seu consumo diário pode contribuir para a modulação do estresse oxidativo e inflamação induzidos pelo exercício, reduzindo a dor e as lesões que o excesso de radicais livres e citocinas inflamatórias podem causar, auxiliando na manutenção da performance. Além disso, tem uma potente ação anti-hemética que pode auxiliar na redução de náuseas e enjoos que ocorrem durante treinos intensos.
PIMENTA VERMELHA
A capsaicina é um dos componentes ativos presentes na pimenta vermelha, como a malagueta e cayena, que também possui uma importante ação antioxidante e anti-inflamatória. A utilização destas pimentas na alimentação pode ajudar a reparar o dano induzido pelo estresse oxidativo provocado durante os treinamentos, reduzindo as chances de um processo inflamatório exacerbado. Uma dica é colocar as pimentas no azeiteiro e consumir esse azeite aromatizado sob preparações frias como saladas.
CHÁ VERDE
O chá verde contém as catequinas, substâncias ativas que podem melhorar a defesa antioxidante dos praticantes de atividade física, auxiliando na modulação do estresse oxidativo induzido pelo exercício, o que ajuda a atenuar lesões musculares e danos às células, o que torna a recuperação mais rápida. Estudos em praticantes de exercícios de força demonstraram que o consumo diário de chá verde melhora o dano muscular mais rapidamente, preparando o músculo para a próxima sessão de treinamento de força amenizando a queda no desempenho nesse tipo de treinamento.
SUCO DE UVA
O suco de uva é rico em várias substâncias antioxidantes, como o resveratrol. Assim o consumo de suco de uva (especialmente o orgânico) contribuirá de maneira valiosa para aumentar a proteção antioxidante e anti-inflamatória de esportistas e atletas, ajudando na recuperação e desempenho. Uma dica é utilizá-lo para diluir suplementos, como a creatina, que necessita de carboidratos para sua melhor absorção.
SUCO DE TOMATE
O suco de tomate (orgânico) contém grandes quantidades de licopeno, um composto bioativo com importante capacidade antioxidante, e que tem mostrado benefícios para atletas de alto nível como corredores de maratona e em treinos anaeróbios, reduzindo os níveis de marcadores de danos musculares e protegendo contra os altos níveis de radicais livres causados pelo exercício, contribuindo para a obtenção de bons resultados para a performance física. Em exercícios de alta intensidade, estudos demonstram redução dos níveis de CPK (creatinoquinase) e LDH (lactato desidrogenase) que são marcadores do dano muscular induzido pelo exercício.
CÚRCUMA E OUTRAS ESPECIARIAS
A cúrcuma é um condimento utilizado há milênios, e é muito conhecido por sua ação anti-inflamatória e antioxidante. Assim, o seu consumo dará suporte ao sistema imunológico e antioxidante do esportista, auxiliando o organismo a se preparar para o estresse oxidativo que o treinamento causará, reduzindo a intensidade de danos musculares e inflamação, contribuindo para a recuperação e rendimento, melhorando os resultados dos treinos. Uma dica é fazer uma mistura de especiarias antioxidantes como: alecrim, sálvia, tomilho, pimenta preta, cúrcuma e cardamomo.
Dentre as especiarias podemos citar ainda a cebola e o alho, temperos básicos da gastronomia brasileira, que exercem um papel importante no sistema antioxidante e imunológico, graças ao seu rico conteúdo de nutrientes, como vitaminas complexam B, vitamina C, vitamina E, aminoácidos e ácidos graxos, bem como princípios ativos, especialmente os compostos sulfurados.
FRUTAS VERMELHAS
As frutas vermelhas se destacam pela alta concentração de vitamina C e compostos bioativos como as antocianinas, os flavonoides e elagitaninos. Esta composição faz com que estas pequenas frutas tenham uma importante capacidade antioxidante e anti-inflamatória no organismo, e quando incluídas dentro de uma alimentação balanceada, ajudam a proteger contra danos causados pelo estresse oxidativo e a fortalecer o sistema imunológico de atletas e praticantes de atividade física. Combinam muito bem quando associadas à um suco de açaí que tem propriedades nutricionais muito similares à elas.
 ABACATE
O abacate, além de contribuir para o aporte de energia, é uma excelente fonte de “gorduras boas”, as monoinsaturadas e poli-insaturadas, e, ainda, contém vitamina E, magnésio e β-sitosterol, componentes que auxiliarão na modulação da proteção antioxidante, anti-inflamatória e do sistema imunológico, sendo uma ótima opção de fruta para indivíduos em programas de treinamento intenso. Uma dica é incluí-lo no lanche da tarde para ajudar a reduzir a fome do final do dia, pois tem uma potente ação na saciedade.
É importante ressaltar que todos estes alimentos, apesar de seus benefícios na modulação do estresse oxidativo e inflamação, devem fazer parte de uma dieta equilibrada, saudável e individualizada, para que estes efeitos não desequilibrem os processos adaptativos do exercício. Procure sempre a orientação de um nutricionista funcional para a obtenção de um plano alimentar individualizado e adequado ao seu treinamento, alcançando melhores resultados no seu desempenho esportivo.
Referências Bibliográficas:
 1.BLACK,C.D.;HERRING,M.P.;HURLEY,D.J.Et al. Ginger (Zingiber officinale) reduces muscle pain caused by eccentric exercise. J Pain; 11(9):894-903, 2011.
2.NASCIMENTO, P.L.; NASCIMENTO, T.C.; RAMOS N.S.et al. Quantification, Antioxidant and Antimicrobial Activity of Phenolics Isolated from Different Extracts of Capsicum frutescens (Pimenta Malagueta). Molecules;19(4):5434-47, 2014.
3.HARAMIZU, S.; OTA, N.; HASE, T. et al. Catechins suppress muscle inflammation and hasten performance recovery after exercise. Med Sci Sports Exerc; 45(9):1694-702, 2013.
4.JÓWKO, E.; SACHARUK, J.; BALASIŃSKA, B. et al. Green tea extract supplementation gives protection against exercise-induced oxidativedamage in healthy men. Nutr Res; 31(11):813-21, 2011.
5.O'CONNOR, P.J; CARAVALHO, A.L.; FREESE, E.C. et al. Grape consumption's effects on fitness, muscle injury, mood, and perceived health. Int J Sport Nutr Exerc Metab; 23(1):57-64, 2013.
6.SAMARAS,A.;TSAROUHAS K.; PASCHALIDS,E. et al. Effect of a special carbohydrate-protein bar and tmato juice supplementation on oxidative stress markers and vascular endothelial dynamics in ultra-marathon runners. Food Chem Toxicol;, 69:231-6, 2014.
7.HARMS-RINGDAHL, M.; JENSSEN, D.; HAGHDOOST, S. Tomato juice intake suppressed serum concentration of 8-oxodG after extensive physical activity. Nutr J; 11:29, 2012.
8.TAKAHASHI, M.; SUZUKI, K.; KIM, H.K. et al. Effects of Curcumin Supplementation on Exercise-Induced Oxidative Stress in Humans. Int J Sports Med; 35(6): 469-475, 2014.
9.MCANULTY, L.S.; NIEMAN, D.C.; DUMKE, C.L. et al. Effect of blueberry ingestion on natural killer cell counts, oxidative stress, and inflammation prior to and after 2.5 hof running. Appl Physiol Nutr Metab; 36(6):976-84, 2011.





Postagens mais visitadas deste blog

Em 2018 qual valor cobrar para o serviço de personal trainer?

VALOR DE SERVIÇOS PARA PERSONAL TRAINER



2018 está chegando e com ele surge uma dúvida: Qual valor cobrar pelos serviços prestados? O Personal Trainer, profissional de educação física, contratado para o atendimento exclusivo na avaliação, prescrição e acompanhamento de treinamento, deve estar atento ao cenário econômico atual ao repassar os valores dos seus serviços para o mercado fitness brasileiro. Como todo profissional autônomo , a manutenção dos custos para o desenvolver da função do personal trainer devem ser mantidos através da captação de recursos financeiros pela prestação dos serviços ofertados. Sendo assim, a sugestão é indexar esses serviços em um índice relevante na economia nacional. A sugestão desse artigo, como possível índice indexador é o salário mínimo nacional, que em 2018 passa a ser de R$ 969,00 (Novecentos e sessenta e nove reais), por um total de 12 treinos assistidos durante o mês; com esse dado chegaremos a um valor médio de hora aula de R$ 80,75 ( Oitenta reais…

IMC não reflete a composição corporal

Entenda de uma vez por todas que  1 kilo vai ser sempre 1 kilo  e pronto!  não é que um "pesa mais que o outro", mas sim uma questão de densidade. A densidade relaciona a massa de um material ao volume que ele ocupa
É significativa a diferença entre massa e volume da gordura e do músculo.  Porém, ao comparar músculo e gordura, chega-se à seguinte conclusão: o músculo é muito mais compacto. Um quilo de gordura é mais volumoso, ocupando muito mais espaço.
Veja bem 100 kilos de músculos ocupam menos espaço comparados com os mesmos 100 kilos de gordura. E no entanto ambos tem o mesmo IMC.










Impacto da prática de exercícios físicos sobre a variável psicológica da auto estima

Você sabe o que é auto estima? Tem idéia da relação que existe entre a prática regular de exercício físico e a variável psicológica da auto estima?

Rosenberg & Simmons (1972, cit. em Batista, 1995) referem que a auto-estima é um constructo  (constructo -substantivo masculino 1construção puramente mental, criada a partir de elementos mais simples, para ser parte de uma teoria. 2.psicobjeto de percepção ou pensamento formado pela combinação de impressões passadas e presentes.)multidimensional, que reflete todos os sentimentos de autovalor relativos ao comportamento, aparência física, inteligência, com o Eu emocional e o Eu social. Posteriormente, o mesmo autor, define auto-estima como a avaliação que o indivíduo faz a respeito do seu próprio valor com base em informações de pessoas que ele considera importantes (amigos, família e professores) e nas auto-percepções em diversos domínios (profissional, físico, familiar). 
A prática regular de exercícios físicos acarreta benefícios a…